segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O amor que eu vou te dar é bem maior do que você imagina...

Eu achei que já tinha vivido de tudo, eu achei que já tinha visto de tudo, eu achei q já tinha amado o suficiente, eu só achei... Diferente de tudo que já vivi, já senti, já vi, você chegou e mostrou que até hoje na minha vida, eu não tinha sido ainda o melhor de mim. Meu sorriso é tão verdadeiro, minha felicidade é tão completa, meus sentimentos tão intensos... Como é bom gostar de você! Como eu agradeço á Deus por ter me dado um presente maravilhoso como esse. Tão simples, singelo, completo... Você é tudo que eu sempre quis, achando que não existia. As rotinas ficaram pra trás, a dor não existe mais, e meus dias agora são flores: mácios e com uma beleza singular! Teu rosto, teu gosto, teus olhos, teu sorriso, tuas verdades, teus sentidos... Guardei todos comigo e não vou soltá-los, não vou perde-los; agora são meus caminhos, meus guias, tudo que eu preciso. Eu tinha medo de nunca poder ter a chance de ser feliz, e agora vejo que essa é a chance. Que caia o mundo, que seja difícil o futuro, você estando comigo tenho a força que preciso para lutar, junto de ti, contra tudo isso e a favor de nós! ♥ (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Enquanto eu acordo, você vai dormir; você me achou e eu te perdi...

Eu, geralmente, sempre ando sem destino... Deve ser esse gosto estranho pelo desconhecido, pelo não certo, pelo desafio, por não saber onde ir e nem como chegar. E, quase sempre, meus caminhos sem destino sempre me levam a lugares incríveis. Inconcientemente, eu me auto-desafio... A vida me dá um Menu de opções para escolher e eu sempre escolho o que não está no Menu. Não sei, deve ser o improvável que, quase sempre, é sempre mais interessante. Em todos (eu disse todos) os desafios da minha vida a primeira coisa que eu fazia era me entregar ao fato, para sentir o caso e saber onde eu estava entrando e com o que estava lidando. Sempre entreguei fácil meus desejos, meus sentimentos, minhas virtudes e talvez seja esse o meu erro de sempre. Não que eu me arrependa, pois vivi coisas maravilhosas com pessoas intensas, mas as marcas que a desilusão me deixa fazem doer e as vezes até me impedem de tentar caminhar novamente. 
Agora, eu não sei onde vou chegar dessa vez, mas mesmo conhecendo o meu erro eu insisto nele. Talvez eu cause mais dor ao próximo do que o contrário... Somente peço perdão e garanto: doeu e dói em mim também! Eu sempre me machuquei mas nunca morri, imagino que com todos seja assim.
Se um dia me faltar coragem, se um dia me faltar vontade de tentar algo novo, de me iludir de novo, de arriscar um novo alguém, um novo sentimento, nesse dia estarei morta ou morrendo aos poucos. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Memórias e lembranças, certezas e dúvidas; nada parece mudar...

Minhas mãos estão dormentes, enformigadas, ouço o silêncio e tudo pára... Depois de uma contagem regressiva, após a partida vem sempre as dúvidas: como vai ser agora? o que vai faltar? por onde eu vou andar?... Chuva, frio, passos nas calçadas; e ao longo dos dias as respostas vão surgindo. Solidão vale a pena quando é bem valorizada. Escrevo alguns versos, transformo-os em músicas e vivencio-as em minha cabeça. Reflexos de uma vida nada comum... Pele seca e morena, sinal que o sol andou queimando minhas vontades. O olhar vai longe, tirando fotos memorais e guardando fatos insignificantes. Um estado de espirito calmo, lento, sem sentido; onde o tanto faz é a mais frequente escolha... Não tenho pressa de chegar, pois não tenho onde ir... (Raíssa C. Momesso)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Inútil, a gente somos inútil...

Vocês pensam que os maiores assassinos, os maiores bandidos e responsaveis pela criminalidade no país são aqueles que estão nas ruas, que andam a mão armada e vivem nas favelas? Engano teu! Os maiores bandidos estão de terno e gravata dentro de suas salas com ar condicionado, são eleitos de 4 em 4 anos pelo povo; são aqueles que ficam em prédios nomeados "delegacia"; que usam o poder que lhes é dado, para matar inocentes em troca de dinheiro. Que encaram a política como business, que encaram o voto como a mercadoria mais valiosa que se pode ter; que vem na TV pra dizer que te protege quando na verdade ele tá numa milícia te fudendo! Manipulam o sistema contra você, e você acha que o sistema está no seu poder só porque existe uma porra duma urna eletrênica que supostamente elege quem você supostamente acha que vai melhorar alguma coisa. A corrupção vai além de dinheiro.. O que a corrupção menos rouba é dinheiro, o que ela realmente rouba é a vida de uma população que cada vez mais é refém de seus próprios governantes! Entao, comece a temer os que sorriem pra você e os que falam em um 'país melhor'. O pior inimigo é aquele que se desfarça, pois você nunca vê a verdadeira face dele! Quando dizem que a política e polícia nacional são SUJAS, estão enganados... Elas são IMUNDAS! E nós somos apenas fornecedores de uma mercadoria que vale mais que tudo dentro dessa sujeira toda.. Nós somos apenas vítimas de um sistema que o poder e o dinheiro são as leis verdadeiras; e que a legislação é apenas um livro de papéis que eles todos limpam a bunda! (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

But that's alright because I like the way it hurts...

Não importa para onde você vai, você sempre terá dois caminhos para chegar. Não importa o quão dói ou o quanto você vai chorar... Não importa o que pensam, o quanto você fala, o quanto você luta... Não importa se você acredita ou não no 'para sempre', ele não existe! Não importa qual caminho você irá seguir, sempre haverá um outro como opção para uma futura volta tua. Não importa o quanto você sinta, o tamanho do seu amor, do teu ódio, da tua esperança... Não importa o quão alto você grite, o quão alto você cante... Não importa teus sentidos, o frio que você sente, o arrepio em tua pele, o sopro em teu coração. Não importa o tempo que vais viver, o quão bem ou mal vais viver; não importa onde você mora e quanto tempo leva da tua casa até teu trabalho... Não importa se estás pronto pra recomeçar ou se ainda nem chegou ao fim, se a ferida ainda está aberta e não há sinal de cicatrização... Não importa o que pensam que você está pensando e/ou sentindo, você não vai conseguir mudar isso. Não importa a voz que te diz que tudo ficará bem, as horas ilusórias de felicidade, o sabor passageiro de uma água gelada... Não importa se vais dormir não querendo, se vais dormir pensando em não acordar ou se nem vais dormir... Não importa se vais gritar a tua dor, se ninguém quiser ouvir... Não importa tentar lutar, reagir, reviver; é tão difícil que vais pensar em desistir! Não importa a pena, a dó e a caridade... Não importa nada daquilo que penso, sinto, faço... Nada mais me importa agora, já que perdi tudo!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Eu continuo porque a chuva não cai só sobre mim...

Mas olha só meu bem, veja bem a situação... Reparou na posição em que você me colocou? Tentando não te parecer novidade, me tornei prioridade, e agora o que eu vejo é o contrário do que você está tentando mostrar. Pode ser teu jogo, percebi que você gosta de brincar com fogo, mas talvez o que você não sabia é que nessas brincadeiras eu sempre sou água e nunca dou corda pra chama, faísca ou labareda alguma. Mas agora eu quero ver o fim de tudo isso, quero ver até onde as tuas cartas vão, e se mais uma vez você ficar só, com medo e se dizendo na solidão, perdão, mas meu tempo e paciência ocupado estarão; e quem vai te curar desse vício? Me desculpe ser tão rude, mas não serei eu. (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Se você não pode ser forte, seja pelo menos humano...

Certa vez decidi ir ao encontro da minha alma e procurar nela o motivo pela qual toda tarde às 18h meu corpo caía ao solo diante da tristeza. Achei, por ventura, que era uma influência astronômica, pois dizem que esse é horário que o sol se desliga e a lua é convidada a entrar em cena. Criei inumeras hipóteses na qual todas falharam... Com a incerteza no colo eu viajei até meu eu para procurar, da forma mais dolorida e mais eficaz, o porque de lágrimas cairem mesmo quando os olhos se fecham. Eu sofri! Eu senti um gosto amargo, um queimar ardente, e descobri... Com o corpo ao solo, coberto pela tristeza, olhei para os céus, vi e senti as nuvens chorando comigo; vi a cidade ficar cinza e grenar, vi sem abrir os olhos um filme bom, velho e conhecido. E voltando do encontro com minh'alma, reparei que o caminho que fiz era mais estreito e quente do que eu prevía. Em tons pastéis me vesti, tentando ser suave; fui, na verdade, patética! Não eram as 18h que derrubavam meu corpo, era a ilusão que surgia cada vez que eu te permitia ir embora... (Raíssa C. Momesso)

sábado, 9 de outubro de 2010

O caminho mais fácil nem sempre é melhor que o da dor...



Engana-me com teus sorrisos... Facilmente, engana-me dizendo que teus dias são os mesmos e que nada mudou. Brinca com os dedos na mesa e brinca com a vida alheia num mar de sentimentos. Fala aos quatro ventos o quão suculenta está sua situação. Tens agora um travesseiro mácio onde dormes tranquilo toda noite... E com um bônus, involuntário, ainda tens uma coberta que te aquece e te acomoda. Suavemente joga as palavras no ar, para um inocente e carente ouvido, absorvê-lás. Doma sem chicotes, cordas ou esporas... Doma apenas com o olhar! Chega até a sentir medo, mas ao olhar no espelho percebes o quanto a situação está em tuas mãos. Farsas, enganos, trotes, ruídos, temporais... O mundo é pequeno diante da imensidão do teu ego! Ego alimentado hora-a-hora, ego fortemente adoçado com o fel alheio... Ego que, se não for cuidado, um dia explodirá! (Raíssa C. Momesso)


ps: Estive sumida por problemas técnicos no computador e por provas e mais provas da faculdade. Perdão! =)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Eu me prendi entre teus dedos, quando peguei na tua mão....

[...] "Quem está aí? - Perguntou Melissa quando ouviu um barulho em teu quarto. Sem obter resposta, ela ficou apreensiva... Não conseguia mais fechar os olhos para dormir novamente, ao mesmo tempo que queria fechar os olhos, pois temia ver algo que não gostaria de ver. Melissa era assim... Não acreditava em nada que não pudesse ver. Inclusive era assim com teus sentimentos. Duvidava de tudo e todos sempre, gostava de provas concretas, visíveis e se possível tocáveis. Mas sabia que o som era um forte sinal, então tornou a perguntar quem, supostamente, estava ali em teu quarto. E perguntava repetidamente... Usando isso como escudo e talvez como um imã para o sono. Melissa respirou, acalmou as batidas fortes e aceleradas do teu coração e criou coragem para levantar da cama e acender a luz. Olhou por todo o quarto, olhou por toda a casa e sem achar corpo físico nenhum se deu conta que o repetido barulho, que a compania em teu quarto era na verdade o teu juízo indo embora de vez, para fazê-la acordar diferente.... Para fazê-la ter um dia diferente... Para fazê-la arriscar mais! Agora Melissa não sabia se isso era bom ou ruim, mas ela também não temia. Caso isso te perturbasse, ela só precisaria criar coragem para levantar da cama e acender a luz da vida para o teu juízo voltar..." (Raíssa C. Momesso)

domingo, 26 de setembro de 2010

But you're the only exception...

Encontre aquela pessoa que te tira do sério, aquela que é capaz de mudar o teu humor, que vira a tua vida do avesso apenas com um leve sopro. Encontre aquela pessoa que vai fazer teus dias virarem uma luta contra o relógio, que vai estar toda noite em teus sonhos e todo o dia em teu pensamento, aquela pessoa que você vai rezar para odiar, quando na verdade ela é quem você mais ama. Encontre aquela pessoa que você não consegue explicar nada sobre ela pra ninguém, que você jamais imagina esquecer um dia, aquela pessoa pela qual você daria tua vida e mais um pouco.
Encontre aquela pessoa que vai te beijar e deixar marcas em sua pele, aquela pessoa que tem o poder de mudar tua rotina, teus principios e derrubar facilmente aquele muro que você construiu em volta do teu coração, aquela pessoa pela qual você se apaixonou e não se conforma em ter perdido. Encontre aquela pessoa que faz teus olhos brilharem, teu corpo tremer e tua mente enlouquecer... Encontre aquela pessoa que é tudo pra você e você é nada para ela. Encontre aquela pessoa pela qual você vai dedicar todas suas glórias, conquistas e escolhas, que você vai chorar quando não a tiver mais, que você vai chorar por querê-lá... Encontre aquela pessoa que vai ser o teu mundo! Eu (infelizmente) já encontrei... (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

'Cause you're all I want...

Apagam-se as luzes, mais um show chega ao fim! E a vontade é de nunca mais voltar naquele palco novamente... Mas a realidade é que amanhã mesmo é dia de mais um espetáculo. 
O vazio que agora toma conta das poltronas é o mesmo que existe dentro de ti. E as palmas até pouco tempo clamadas, viraram poeira em tua cabeça. Já não basta encenar no palco, agora tem que encenar na própria vida também... Ser aquilo que não é, ter aquilo que não deseja, não ter aquilo que quer. Duas histórias, duas fantasias, duas faces, mas com semblantes parecidos. E se eu sugerir para que fujas, com certeza vais me responder dizendo que o dever te chama! Olhe para frente então, olhe para tudo isso... Mas olhe de todos os pontos de vista possíveis e me diga o que vale mais: o teu dever ou o teu direito de ser feliz? 
Se um dia alguém te disse que fugir não era a melhor solução, é porque com certeza esse alguém queria prender você! Agora escolha se você vai voltar pra de trás das cortinas e esperar o outro dia chegar, o outro espetáculo começar e encenar tudo outra vez... Agora escolha se você vai seguir em frente para virar platéia dessa cena toda.
No fim do dia você sempre está no lugar onde gostaria de ter acordado. Mas dormir é opção tua, acordar é opção tua... Sem perceber, tudo que você vive é opção tua. Nada vem ou acontece pelo acaso, acredite! (Raíssa C. Momesso)

domingo, 12 de setembro de 2010

Que o teu afeto me afetou é fato, agora faça-me um favor...

Quando me disseram que o mundo dá voltas eu não acreditei e ainda acenei negativamente com a cabeça. 
Pensava eu: uma volta do mundo demora muito e eu não vou esperar todo esse tempo pra mudar o que hoje me aflinge. Até que o mundo me mostrou que quem escolhe o tempo necessário para ele dar uma volta, é ele mesmo e não cientistas e outros "istas" espalhados por aí. E não é que o danado mundo girou? E virou com ele, o jogo! E mais... confesso eu que não fiz muito esforço. O único esforço foi morder a língua por ter duvidado das voltas da vida! 
Bom... Volta dada, mundo girado, estou agora na melhor posição que eu poderia estar. Debaixo do aconchego, da segurança em mim mesma, dando o valor que eu tenho e mereço, abrindo menos mão do meu espaço, entendendo e aceitando que ser pulso firme não tem nada a ver com crueldade. É questão de defesa pessoal eu diria... Fechar os punhos e defender-se! Ninguém é condenado por isso... E que essa felicidade que reflete no espelho não vá embora tão cedo, e que esse mundo não gire tão cedo, e que essa vida não perca o rumo nunca! 
Pés no chão, pensamentos e sentimentos no céu... Eu escolhi viver assim! Posso? (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Saber dar valor para as coisas mais simples...

Você sabe quando alguém te fez bem quando ao lembrar dela você sorri! Por mais que não estejam mais no mesmo caminho, por mais que não estejam mais lado a lado, por mais que tudo não seja, agora, como era antes... Você percebe o valor de uma pessoa não quando perde ela, e sim quando você a tem em todos os sentidos e momentos da sua vida. É difícil encontrar um abraço que contenha sentimento, e quando você acha não pode deixa-lo ir embora... Não é esforço nenhum ser feliz quando você se permite ser feliz! Não importa com quem nem onde, não importa quando ou porque... O real acontece quando você decide valorizar apenas aquilo que tem um verdadeiro valor. Sem banalizar sentimentos ou até força-los, isso nada acrescenta ou muda pra você. Quando é natural, você sem perceber, olha pro lado, pra trás e la na frente e enxerga quem realmente te faz sorrir e te faz bem! Não tente se enganar... Como já diria o poeta: "Mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira". (Raíssa C. Momesso)

domingo, 5 de setembro de 2010

I hope it's gonna make you notice...

Condenados aqueles que erram, aqueles que caem e que se perdem. Condenados por aqueles que não entendem que a regra da vida é tentar, é saltar para algo desconhecido, é lutar!
Contemplados aqueles que mesmo no erro conseguem tirar uma lição e uma motivação para seguir em frente, aqueles que quando chegam no fundo do mundo se erguem maiores e mais fortes depois, aqueles que saem da nébula cinzenta e conseguem colocar seus corpos perdidos no eixo novamente. Coitados daqueles que não se entregam, temem o amor, fogem do perigo e vivem no comodismo. Condenado, contemplado, coitado... o que você quer pra tua vida? (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Parabens pelos 100 anos de Raça e Paixão, meu Corinthians!



Ao terminar esta parte da história, queremos Te pedir, Senhor, alguma coisa grande e preciosa para este segundo século de Corinthians. Mas nós não vamos Te pedir tanto isso de títulos, vitórias, copas e honrarias.
Cem anos de Corinthians já nos ensinaram que isso não é o mais importante. Nós hoje só queríamos Te pedir o mais importante: que o Corinthians continue sendo para sempre o que tem sido
em nossas vidas: simplesmente o Corinthians, esta misteriosa fraternidade que nos une, esta inesgotável fidelidade que tudo enfrenta, este sonho que não se explica, feito que é de várzea e esperança. Isso te pedimos pela força de São Jorge, nosso padroeiro, em memória de Elisa, nossa madrinha, e em nome dos milhões de devotos e mártires anônimos que, movidos a fé e sanduíche de pernil, pelos séculos vindouros hão de continuar lotando os estádios com seus cantos e bandeiras em busca de uma coisa maior e mais luminosa que eles nem sabem direito o que é, mas que neste mundo não hesitam em chamar: Corinthians. Amém.

domingo, 29 de agosto de 2010

Everyone's got their chains to break...

magia
s. f.
1. Religião dos magos.
2. Produção de actos!atos extraordinários e sobrenaturais.
3. Fig. Encanto; fascinação.

A magia que envolve a vida... Que envolve o dia, a noite e tudo que existe dentro deles. A mesma magia que envolve o sonho, repetido madrugada após madrugada incansavelmente. Aquela mesma magia que se enrola em meu corpo.
Que está nos olhos de quem vê e nas mãos de quem apresenta, no pedaço de vida embrulhado de esperança.
A magia de poder acordar com o frescor da brisa, de enfrentar teus dias cinzentos com mais vigor depois de um beijo regado de amor.
Aquela incomparavel, imensa e intensa magia existente no choque dos abraços, no toque dos lábios... Uma magia que nunca se sabe quando vai chegar e que rezamos para nunca acabar.
Encontro após encontro, caminho dentro de caminho... a magia só se faz crescer!
A mesma magia que eu quero pra mim, que eu encontro em ti, que me faz maior e melhor... Entre eu e você.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Não é preciso mais adormecer para sonhar com um anjo...



"Pode esconder teus segredos, enganar-me sobre teus medos e escolher caminhos alternativos como opções para um dia fugir, levando contigo parte de mim..." (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Palavras não farão entender...

Há tanto que nunca pude te dizer (Calvin)

O frio invade um coração... Mas não o seu (ainda bem)
O anjo solta a minha mão pra não me impedir de viver
Sei que talvez nunca chegue a ouvir os versos que hoje canto
Mas são só palavras improvisando o que, ao certo, importa tanto
Se há tanto que já aprendi, não vá...
Há tanto que nunca pude te dizer
Há tanto de mim que devo a você
Nem mesmo o amor se faz em versos sem final
Não vá... Se anjos te esperam pra onde quer ir, ainda és um anjo pra quem está aqui
Segura minha mão e me diz outra vez que a mágica ainda é real
Se a chuva cai sem ter razão, palavras não farão entender
Se um espinho hoje te faz feliz esqueça os cortes que ele fez
A vida é tão curta pra que a gaste odiando o que não entende
E o que nos faz falta jamais deixou de fazer parte da gente
Se o ar é intenso, volte a respirar!
Em mim ainda há o eco do grito que um dia chamou por você: - "Não vá"...
 Sei que ainda me ouves, afinal
Me diz que ainda me acha especial
Me diz que o frio que sinto não vem do meu coração
E diz que a vida segue bela e sem razão...
 
ps: hoje o texto, que na verdade é uma música, não é meu... é uma música que faz anos que conheço mas não canso de ouvir e acho a letra dela uma das mais lindas que já vi. quem tiver a curiosidade vá atrás de ouvi-la porque vale a pena ;)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A porta esteve aberta o tempo todo...

"[...] E Melissa ficou confusa se deveria ou não fazer o teste para ser a estrela principal do teatro da sua classe (5ª série). Quando olhava suas concorrentes populares, rodeadas de alunos comuns querendo a atenção delas a dúvida só aumentava. Até que algo despertou a raiva e a alma de Melissa. Soráia, a aluna mais popular do teu período, passou por ela e com ar de deboche disse: "Tente Melissa, por que não? Quem sabe você não consegue o papel de árvore (risos)". 
No caminho de volta pra casa, isso ecoava na cabeça de Melissa... Hora ela achava que Soráia estava certa, hora ela queria arrancar os cabelos de Soráia. Mas Melissa fez mais... No dia do teste, Melissa não apresentou o diálogo combinado para todas as concorrentse, ela fez mais... Trouxe, feito por ela, um monólogo e o apresentou de forma impecável, a ponto de parar a respiração e olhares dos professores jurados. E quando anunciado que o papel principal era dela, Melissa recusou e fez mais... - "Mereço mais que um simples papel principal numa peça de teatro da escola, mereço mais que o deboche alheio, mereço mais do que ser a garota mais popular da escola. A dimensão do que eu mereço em minha vida está além do que essa escola pode comportar!". 
E assim Melissa saiu de cena... Fazendo com que tudo que acontecesse após aquilo virasse apenas um mero detalhe coadjuvante.

domingo, 22 de agosto de 2010

Meu troco é pouco, é quase nada...

As vezes é necessário mais. Mais coragem, mais compreensão, mais atos, mais vida, mais carinho, mais contato, mais toque, mais verdade, mais pra se fazer, mais pra se falar, mais pra sentir... 
As vezes é necessário menos. Menos castigo, menos distância, menos mentiras, menos palavras, menos dor, menos confusão, menos ilusão, menos perigo, menos aceitação, menos enganação...
O que é, não as vezes mas sempre, necessário é se envolver ao máximo com teus próprios sentimentos e não tentar fugir de coisas que vivem dentro de você! Como você vai descobri o que tem no fim do arco-íris se você não quer ir até lá? (Raíssa C. Momesso)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Tentei esconder, deixei de falar mas sei que meu olhar vai me entregar...

Inevitávelmente, espontâneamente, sutilmente eu só consigo sorrir! Sem querer, perceber ou entender eu estou aqui! E agora já não importa mais o que virá, eu perdi o medo, eu perdi o juízo. Foi se embora o tempo, o medo, o frio... e tudo com algumas intensas e sublimes palavras. É tão maravilhoso fechar os olhos e chegar até onde eu quero, exatamente, estar (ou voltar). Vou pedir para o carteiro entregar minhas correspondências em outro endereço a partir de agora, vou pedir pro violeiro tocar aquela bela melodia, e ainda pedir pro padeiro reinventar todos os doces do balcão... vou mudar tudo, como mudou a minha vida. Até porque eu encontrei o lugar perfeito pros meus sentimentos viverem. Se eu pudesse tirar uma foto da vida ela saíria sorrindo! E de fundo um sol magnífico, um mar "azul transparente" e areias finas. Se eu pudesse tirar uma foto da vida ela estaria de biquíni dentro da noite! E sorrindo... Tá tão aconchegante, tá tão simples e sereno que até da medo que possa ir embora. Como um cristal frágil, eu vou cuidar como se fosse a coisa mais importante que eu tenho em mãos... E talvez seja mesmo. (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Antes o que era sonho se tornou realidade...



Eu quero sentar na grama molhada debaixo da lua com você, olhar pro lado e encontrar tudo que eu preciso... Provar que o tempo todo eu fui o caminho mais curto e intenso pro teu bem-estar. Te mostrar como é fácil ser feliz sem motivos... Eu quero te levar pra longe de tudo e cantar a canção que eu fiz pra ti, olhar em teus olhos e dizer tudo aquilo que eu geralmente não consigo. Calar o teu sorriso trazendo a tua boca pra perto (ou dentro) da minha e sussurrar a todo instante em teus ouvidos o quanto eu fico bem do teu lado. Como um vento leve, uma brisa levemente fria e fresca, o aconchego de uma fogueira, como tudo de suave que possa me rodiar e me transformar, como você eu... juntos!

Ps: quem quiser ter mais algum tipo de comunicação comigo é só me seguir no twitter - @ramomesso

domingo, 15 de agosto de 2010

Algumas coisas não precisam ser ditas para serem entendidas...

Talvez eu te ligue, talvez não, mas o meu desejo é que você fique esperando eu te ligar... Talvez eu fique, talvez não, o importante para mim é te causar dúvida. Enchendo os teus dias de talvez eu vou satisfazendo o meu ego e enrolando cada vez mais o teu juízo. Te entregando sorrisos e gentilezas, carinhos e promessas e carregando minhas energias com a sua ilusão, confusão e apreensão. Eu nunca te disse isso antes, mas o que mais me preenche é ver seu mundo girando ao redor de mim, teus textos escritos e declarados para mim, as tuas brigas e intrigas por minha causa... Eu não te quero do meu lado, eu não quero você comigo, mas não quero que você se afaste, que você se esqueça e/ou que pare de viver por mim. Não sei dizer ao certo, mas esse é o único sentimento que existe em mim, além do amor próprio é claro. Mas também não acho que seja egoísmo ou algo do tipo... eu apenas tenho um mundo em que tudo e todos giram em torno de mim; eu fui alimentada com isso desde meu primeiro sinal de vida, é um vicio e não é minha culpa. Talvez seja um pouco, talvez não... Sou instável, um pouco sem opinião mas lanço leis e tendências sem perceber. Mas hoje prometo que vou te encontrar, prometo que vou te ver... eu ligo pra gente marcar, vamos nos encontrar... Ou não. (Raíssa C. Momesso)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Em silêncio vai viver, querendo falar...

É como olhar pro lado e a paisagem virar um borrão, é como aquela sensação de primeira vez, é como a data mais importante do ano, a tarde mais linda do mês, a noite mais fria da sua vida... É como saber que quer mas não sabe o que. O abismo mais fundo dos abismos, o riacho pai de todos os riachos, o abstrato mais indeciso e confuso de todos os abstratos... É como o estranho ser o mais belo, e o raso ser o mais intenso! Acordar sozinho, dormir sozinho, mas não ter coragem de sair daqui... O distante atrai, o difícil é imã, e cada vez mais você se vê próximo do que está cada vez mais longe. É como criar um mundo só seu, viver fisicamente no mundo real e emocionalmente no seu, como fazer seus pensamentos alcançarem lugares que sua inteligência não chega, é como ser mais completo quando notas musicais estão presentes nos teus ouvidos. Aquele sussuro, aquele arrepio, aquele suspense antes das bocas se tocarem, aquele abraço forte querendo te trazer pra dentro de mim, aquilo tudo que jamais sairá da memória. O meu sorriso, o meu choro, a minha dor, o meu gozo... É como se fosse melhor pra mim e insignificante para você... É como se apaixonar. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Aquele tempo que não vai voltar, toda uma vida a se perguntar...

Abraço o escuro pra sentir o arrepio que o medo me dá. Abraço corpos mortos pra tentar descobrir como é o lado de lá. Abraço as infinitas dúvidas para garantir que sempre as terei por perto. E sem entender como, me perco dentro desses abraços... Ao som da rua, eu saio na calçada e minhas mãos condenam o frio que sinto por dentro. E antes que meus pés me perguntem para onde irei, dou a eles a liberdade de decidir. Me engano sempre que tento contar as inumeras vezes que derrepente fiquei sozinha em meio a pessoas vazias... Não que eu seja um poço de conteúdo e virtudes, mas de alguma forma algum detalhe sempre me preenche. Tento, tento, mas não consigo ficar presa na solidão... Não tem jeito, não sou digna de recebe-la em mim! Enquanto isso, voam pensamentos... voam teorias... voam intenções. E voam pra onde? Pra fora de mim. (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Sei eu que a minha louca insensatez me fez perder você de vez...


 Eu esqueci onde coloquei as chaves de uma nova vida... Talvez tenha sido a minha embriaguez, que apesar de não ser intensa era insana. E agora como eu vou entrar? Mas quer saber, eu nem queria entrar mesmo... Vou ficar do lado de fora, sentada na porta com a minha garrafa de estupidez, que apesar de estar apenas dois dedos cheia, sei que vai me trazer o sono. Quem sabe um vago coração não passa, me veja sem consciência e resolve me levar pra tua casa... Ou acordarei sozinha, nada disposta à enfrentar a intelorante ressaca.
Devo estar fantasiando... Eu nunca pedi, encomendei, comprei, ganhei, chaves de uma nova vida! Por que diabos então eu pensei que estivesse perdido algo que eu nem tenho? Cadê meu juizo? Cadê a minha direção? Sei la... esses sim eu devo ter perdido! Culpa da embriaguez, é claro. (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 3 de agosto de 2010

And I'm free, free falling...

[...] E Melissa acreditava que ninguém poderia ser feliz sem estar com alguém... Foi assim que ela cresceu, foi com essa idéia que ela sempre conviveu. Via sua mãe sempre reclamar do teu desinteressado pai, dizendo que ia abandoná-lo e levar a filha com ela, mas quando a raiva ia embora levava junto a coragem e o comodismo falava mais alto. Melissa nunca entendia o porque de estar com uma pessoa fria era o correto. Mas o que Melissa sabia (apesar de não entender) é que algo diferente sempre acontecia em suas pernas, olhos e mãos quando ela encontrava aquele garoto na escola... Mas ela temia que ele poderia ser para ela o que o seu pai era pra tua mãe: rotina!.. (Raíssa C. Momesso)

domingo, 1 de agosto de 2010

Sem obrigações eu espantava a lucidez, e por um algum motivo eu me encontrei...

Pra que criar confusões? Pra que me deixar sem saída? Pra que me colocar em um lugar na qual não poderei ficar? Começar a sentir teu aconchego, entrar debaixo das tuas cobertas e quando eu começar me aquecer já tenho que ir embora... Talvez nem seja maldade, crueldade ou algum veneno do tipo; talvez nem seja de propósito, talvez seja acidental... Mas é difícil entender como coisas assim acontecem. Como a coragem que demorou a chegar, talvez você demore também; mas sabe... sem pressa, sem atropelamentos, eu sei que as coisas vão acontecer. Mais cedo ou mais tarde, não adianta fugir... Quem sabe eu seja a tua carona no meio dessa estrada onde apenas carros passaram te observando e não te notando, como eu te notei, como eu parei... 
Pode andar deixando teus rastros nas folhas, pode voar e sentir o vento no teu rosto, só não se deixe esquecer onde realmente é a tua morada: eu! (Raíssa C. Momesso)

sábado, 31 de julho de 2010

E o teu olhar me diz tantas coisas, tantas coisas loucas...

Cure tudo aquilo que te machuca, se afaste de tudo aquilo que te aflinge, esqueça as memórias sombrias que insistem em não te deixar dormir. É fácil... basta abrir teus olhos e permitir que eles encontrem o sol, que eles encontrem a luz. Abrace os teus medos e impeça-os de se espalharem pela tua casa. Eu já fugi tantas vezes de batalhas fáceis de se vencer, e fugi, não por covardia, mas por não estar preparada para vencer.
Encare sem receio as tuas dúvidas, entenda que todo nós temos limites e as vezes eles são mais extremos do que queremos e imaginamos. Se você está cansado de errar, permita-se saber que você é um vencedor por tentar sempre, mesmo errando sempre. O teu pecado, as vezes, é lei para os dias alheios... e você vai continuar mesmo se culpando por eles? Preocupe-se mais em sorrir nos teus dias atuais, do que em planejar teus dias futuros. Tantas vezes eu perdi o futuro que planejei, que agora sem querer eu só sei olhar pro minuto que eu to vivendo! (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Cada vez mais te vejo em mim...



Você sempre esteve do meu lado e eu nunca te vi... Talvez mais pra frente eu vou me arrepender de estar escrevendo aqui por você e para você, mas o que virá mais pra frente no momento não me importa. Eu nunca duvidei do destino, mas confesso que achei que ele não seria capaz de certas coisas... Hoje ele me mostra o contrário. Teimoso, contraditório, infinito... ele age! Enxergo agora os teus abraços com outros olhos, sinto o meu pensamento longe e querendo cada vez mais chegar perto de ti. O meu desejo, meu grande desejo é poder te colocar absoluto nos meus dias e pensamentos, é fazer com que meu coração se torne tua morada, e o meu segundo grande desejo é que isso tudo seja reciproco. Não deixemos o medo nos atrapalhar novamente e estragar noites e noites que virão... Noites em que eu dormirei com seu sorriso e acordarei contigo nos braços. Eu vou fazer o melhor que eu já fiz entre a gente e para a gente! Eu vou me arriscar novamente... Não me dê motivos para me arrepender disso depois. (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 27 de julho de 2010

Como se você quisesse alguma coisa que eu tenho...

Olhe... Isso está distante de você. Por que ainda insiste em querer isto? Eu estou do seu lado, eu sempre estarei do seu lado, é tão difícil assim me enxergar?
Talvez eu seja a melhor pessoa pra ser dona dos teus abraços, pra guardar teus beijos e encher teus olhos de alegria. Você se lembra do quanto eu fiz bem pra você? Você consegue se lembrar disso? Então por que foges assim de mim? Por que foges de algo que só coloriu teus dias e deu vida a tuas noites? Não tenhas medo de sentir medo, eu sinto também... Mas você não vê que só eu posso tira-lo de você e você de mim? 
Vem comigo, não fuja da felicidade... ela quer você! Olhe para mim, sinta tudo aquilo que sentiu quando se deitou em meus braços... Eu estava completa contigo e sinto que você estava também! Talvez você não veja, mas sou eu o caminho mais simples e incrível pra você caminhar. Pare de buscar coisas distantes, você não vê que isso só vai te machucar ainda mais? Eu estou aqui... Eu sempre estarei aqui... (Raíssa C. Momesso)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

E a tristeza parece poesia...

Você tem um sonho. Não importa o tamanho que ele tenha, não importa o quão longe ou perto ele esteja. Você conta os dias para chegar a chance de poder lutar pelo teu sonho, e quando a chance chega a tua sede é tão enorme que você deixa a água derramar e levar teu sonho embora. Dizer que é natural trocar "os pés pelas mãos" é uma forma de aliviar o esporro causado pelas tuas ações, mas nada consegue barrar as consequências que logo virão. E quando o teu sonho é o mesmo sonho que o de várias pessoas, quando a tua chance de lutar é a mesma chance de todas essas pessoas, trocar "os pés pelas mãos" acaba sendo mais inconsequente, mais pecável ainda. Os teus atos você leva na memória e as consequencias na bagagem. Não deixe a bagagem ficar pesada a ponto de não conseguir mais carregá-la. Faça o que deve ser feito e não o que não poderá ser desfeito mais tarde... Você vai entender, você vai aprender. Erros dão chances, porque onde há dor há reflexão. (Raíssa C. Momesso)

domingo, 18 de julho de 2010

Picture perfect memories...

Uma vida verdadeira ou um sonho doce e gentil? 
Você novamente ou você nunca mais?
Admitir ou desaparecer?
Aqui ou longe?
Você vai voltar ou nunca realmente esteve aqui?
Estou em você como você está em mim?
Abaixar a cabeça ou mover os pés?
É o passado ou só uma continuação?
Isso passa ou ta só começando?
Se trata de sentimento ou mais que isso?
Anestesia ou cura?

Eu quero ir embora... 
(Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 13 de julho de 2010

As coisas que eu não entendo... por que você me olha desse jeito?

[...] Mas um dia lhe aconselharam: "Vá em busca dos teus desejos garota, vá!", e ela foi... E foi com tanta intensidade que quando voltou estava vazia de sentimentos bons, e sua única voz era o silêncio, suas únicas palavras era o olhar perdido e sugestivo. Ela foi... mas não voltou nunca mais. 
Incompleta, indecisa, indefesa... Pensando em nunca mais atender pedidos alheios.
Melissa agora era um corpo regado de mágoas que a domavam... Não dormia, não fugia e não pensava em se esconder. Se Melissa fosse uma canção só teria acordes sustenidos... Mas agora, ela não sabia mais sobre suas canções. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Mesmo que o mundo não saiba, e mesmo que o mundo não queira...

Quando eu decidi que levaria comigo todo o meu passado eu me arrisquei ao extremo, mas ao mesmo tempo eu sabia que algo inusitado poderia me acontecer hora ou outra. Quando você se deita pra dormir com bastante sono, tanto sono que quase não se aguenta, e der repente um pequeno ruído vindo la de longe te tira o sono e te afoga numa imensa insônia, acredite... não era apenas um ruído vindo de longe, era um despertar da tua alma para algo que  vai acontecer. Lentamente as coisas vão acontecendo e sua vida vai ficando cada fez mais sem estratégia,  sem planos e confusões; e aí então você sorri! Mas você sorri verdadeiramente... e sorri apenas para coisas verdadeiras. Sua felicidade não é banalizada e sim sincera e mais profunda; e quando se está assim não precisa anunciar aos quatro ventos, quem precisa da sua felicidade é apenas você! 
E como num pulo de linha, num parágrafo, eu posso mudar o rumo do meu texto e sair do "eu" para o "tu", a sua vida, as nossas vidas, podem mudar... Sem nos dar explicação, motivo ou razão. Apenas mudam... pois a rotina depois de um tempo se torna angustia, e a angustia não trará brilho nenhum pros teus dias. Aceite as mudanças da vida e faça dela um texto: simples, infinito, cheio de interpretações... Não é pecado nenhum brincar de viver, ao contrário, é necessário! (Raíssa C. Momesso)

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Um dia eu aprendo e mudo de rumo...

A gente sempre se espera mais da vida do que ela pode nos dar. E o resultado disso é um emaranhado de frustrações, mágoas e uma baixa enorme na vontade de seguir em frente sempre... O jeito é respirar fundo e tentar nos convencer que sempre dá pra virar o jogo. Ser realista dói demais. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 5 de julho de 2010

You steal my heart and you take my breath away...



Todo mundo nessa vida tem um dever. O meu é colocar cor onde não tem e viver para os outros...
Alguns tem o dever de segurar aqueles que caem das pontes. É ser o anjo de alguém.
Mas não importa qual dever seja, desde que ele seja entregue.
Eu descobri que cantando uma canção eu posso chegar mais alto do que gritando palavras ao vento.
Aprendi que o calor existente em meu abraço não pode ser encontrado em lugar nenhum.
Como alcançar as estrelas? Fácil! É só estar disposto a isso a partir do momento que o despertador tocar.
Não sentir medo já é um grande passo... E você para onde vai esta noite? Venha comigo então... (Raíssa C. Momesso)

domingo, 4 de julho de 2010

And I need you now somehow...

Como já diziam: "Depois que você conhece o sol, não se contentarás mais com apenas uma estrela".
Ganhei de forma fácil, mas merecida, as melhores sensações, a melhor forma de ser feliz, abraços cheios de conteúdo, ganhei e retribuí. Encontrei mais do que palavras em meio a um abismo de ilusões, me devolveram o fôlego quando eu já me sentia sem vida. Trouxeram meu sorriso de volta, minha sensibilidade e minha vontade de acreditar no mundo novamente. E tudo isso pra que? Pra depois me tirarem sem ao menos me dar um motivo convincente, sem me consultar se essa era minha vontade, sem perguntar se eu saberia viver sem isso tudo?
A sensação agora é de como se eu estivesse caminhando dentro de uma neblina forte, com os olhos vermelhos e a cabeça vazia e sem vontade de encontrar uma saída. Sensação é de como se eu estivesse num labirinto, em sã consciência que quanto mais eu andar mais vou me perder, mas ficar parada também não resolve...
E quanto mais eu penso mais me perco, mas como não pensar? Por que a maturidade sempre foge na hora em que ela tem que ser usada? Ou será que ela existe mesmo..? O vazio é inevitável, a luta de agora em diante vai ser para encontrar fragmentos que irão enche-lo e fazê-lo desaparecer.
Sem um porque, sem um argumento, sem uma verdade... Eu vou continuar, mesmo sem razão, mesmo sem conteúdo, por que se eu não continuar não vai existir lugar nenhum pra ficar. (Raíssa C. Momesso)

sábado, 3 de julho de 2010

Volte pra casa vai chover porque eu vi seu domingo desaparecer...



Gosto de me enrolar em novelos de ilusão, gosto do toque macio que elas me trazem... Sentir o gosto das salivas, e senti-las escorrendo em minhas costas... Encher minha cabeça de pensamentos impiedosos e suculentos, esperar que um dia eles aconteçam... Conseguir viver entre o sim e o não, o doce e o amargo, o céu e o inferno, o grave e o agudo, enxergar algo além do que se imagina dentro das indecisões. Encarar todos os olhares, desafia-los e absorve-los. Fugir quando for necessário e não se envergonhar em fazer isso... Rezar para que meus caminhos possam se cruzar com os caminhos dos meus desejos. Agir sem fingir até quando eu não puder mais aguentar! (Raíssa C. Momesso)

domingo, 27 de junho de 2010

What makes your risin' sun so new?...

Vai entender as idas e vindas dessa vida... O mesmo que dá o sossego é o que tira! E sempre bate aquela pergunta regada de revolta: Por que não eu? Por que não comigo?... Olhar teus dias, olhar teus complementos e os motivos dos teus risos; olhar o que te encanta, o que te faz perder a voz e o fôlego; olhar tudo isso e não estar em nada disso. Olhar os meus dias, olhar meus complementos e os motivos dos meus risos; olhar o que me encanta, o que me faz perder a voz e o fôlego; olhar tudo isso e te ver fazendo parte disso. Girar em torno de mim mesma e ver que tudo está completo... até chegar no ponto em que o que me deixa tão completa é algo que não tenho mais. 
Observo a frequência com que meus discursos mudam e confesso que fico espantada. Não é que algo tenha desmoronado, é somente uma parte que nunca se ergueu. Fazer o que se eu também tenho minhas fragilidades?!.. E cada deslize, e cada desejo que eu tento controlar, e cada vez que eu não me controlo, eu sofro as consequências, que mais tarde virarão lições passadas que irei pregar em fatos futuros. Eu realmente não entendo as idas e vindas mas eu não posso fugir delas... Solução pra isso? Não sei! Nem tudo tem uma solução... não é?! (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Mas tinha que ser com você....


Ah o tempo... Tão precioso, tão intenso, tão cirúrgico. Tempo que afasta, que ensina, que cura, que adormece, que aquece, que transforma o novo em antigo, que transforma a dor em vento... E que se não fosse você, tempo, talvez eu nem estaria aqui! 
Decidindo meu destino, podendo escolher meu caminho sem ter dependências, colhendo cada grão dessa imensa colheita. Sentindo o melhor de cada pessoa e transmitindo o melhor de mim, deixando marcas suaves e doces em cada corpo navegado, desvendado e explorado... Provando paladares e guardando-os debaixo da língua. Desejando chegar à lugares que eu desconhecia, que eu temia. Gozando de uma liberdade jamais conquistada, tocando acordes no violão e fazendo-o falar por mim. 
Tempo... tempo! Que venha à mim com sua imensa força, que aja em mim com sua imensa precisão. Venha tempo, faça o que tem que fazer e me deixe inteira para desejar-te novamente. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Houve um tempo onde te abracei e prometi nunca te abandonar...

Em águas calmas é mais fácil navegar... Da pra reparar em cada pequeno detalhe, olhar com cuidado o que está ao nosso redor. Pois quando há uma tempestade, toda a sua atenção se volta em tentar controlar o barco e sobreviver, mas em águas calmas tudo fica mais fácil... Da pra reparar nas coisas que existem dentro do mar, da pra sentir a maresia e a brisa dando uma nova aparência à nossas vidas. Da pra ouvir a música e perceber que ela não somente toca, mas sim transcede.... Da pra notar que aquele pássaro ao horizonte não é um pássaro, mas talvez seja uma nuvem ou uma mancha do céu, algo assim... Em águas calmas da pra desenhar o que se está vendo ou imaginando, da pra escrever sobre o que se está sentindo e prevendo. Águas calmas servem para acalmar... Servem para colocar a alma no lugar e a direção no eixo, servem para amaciar a carne e preparar o fogo, servem para anestesiar a mente para uma nova tempestade. E as vezes é tão fácil navegar em águas calmas que se torna tedioso, a ponto de fazer o instinto pedir e gritar por uma aventura, um perigo ou algo parecido... Mas eu ainda prefiro tocar meu barco em águas calmas. Eu gosto de sentir o gosto de cada coisa, e guardar cada detalhe em mim. Tempestade continue dando um tempo, eu não quero que você venha tão cedo... (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 15 de junho de 2010

What do you do when you know something's bad for you but you still can't let go?

Mais uma vez me coloco a postos, tranco os pensamentos para o mundo, apago as luzes, coloco uma trilha sonora e fixo os olhos para o embrumado de letras em frente a mim. Preparo-me para dizer a mim mesma mais um monte de verdades que eu já sei, e dizer aos outros suposições do que pode estar acontecer ou pode vir acontecer. Mais uma vez me volto ao meu maior refugio: o diálogo interno entre eu e eu mesma! Escrevendo aqui o que um dia será passado e estabelecendo limites para o meu estado actual, tentando me convencer de que escrevendo e lendo sobre todas as minhas mudanças de estados emocionais, vá fazer com que eu nunca mais as tenha. Mais uma vez estou aqui buscando palavras novas, não as encontrando e usando as mesmas de sempre, deixando o externo falar por mim e permitindo que o interno absorva (ou tente absorver). Torturando minhas mãos há tempos congeladas e meu coração que eu vivo pedindo para se curar, mas vivo lembrando-o do que eu devo esquecer... Mais uma vez, outra vez, escrevendo, transparecendo, respirando lentamente, adormecendo sonolentamente, esperando um novo dia, aquele novo dia, chegar... (Raíssa C. Momesso)

sábado, 12 de junho de 2010

Sinto que sei que sou um tanto bem maior...


Hoje vou relatar sobre umas das experiências mais incriveis que eu vivi...
'O Teatro Mágico', ja ouviram falar? Quem ja ouviu falar e ja ouviu o som deles abra um sorriso e agradeça por isso, quem nunca ouviu nada sobre eles vá atras e você não se arrependerá!
Continuando... Fui a um show deles, e sai de lá totalmente renovada, leve... Incrivel mesmo! Tão incrivel que eu podia ver o brilho nos meus olhos durante o tempo todo, tão incrivel que eu senti minha respiração parada o tempo todo pois não queria fazer o minimo esforço que me fizesse tirar a concentração do que estava diante de mim. Cada palavra desse gênio, desse revolucionador chamado Fernando Anitelli, está marcada aqui dentro de mim, e eu as ouço a todo instante. Cada movimento feito por cada artista em cima daquele palco, daquele tecido, embaixo daquele céu, daquela noite; me completam cada vez mais e dão som aos meus dias vazios.
"Mas Raíssa, você os conheceu, conversou com eles, deu abraço em cada um deles? Marcou um almoço, jantar, café da manhã com eles?" - "Não!". Eu apenas cheguei, me aconcheguei num lugar, fixei meu olhos no espetáculo e ao fim dele, saí de lá e voltei para o meu lar (não do mesmo jeito que cheguei la). 
"Então por que foi tão incrivel, impressionante, e uma das maiores experiências da sua vida se você nem ao menos os viu de perto?" - "Porque isso não é necessário acontecer para ser incrivel e inesquecivel".
Todo o aconchego e alento que aquele espetáculo me trouxe, tenho certeza que tem o mesmo valor que um abraço de algum deles, ou de todos eles... Quando com tão pouco, se faz imensa revolução é porque o conteudo é mais válido que muita informação sem formação. Frase gliche, mas totalmente real: 'O Teatro é realmente Mágico'.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Minhas escolhas me trouxeram até aqui...


Mãos vazias e cheias de bagagens das viagens, eu cheguei...
com algo a mais para contar e olhos cheios de receio, estranhei...

O abstrato é complicado, mas não sei como evitar
é impossivel perceber, muito menos esquecer
O abraço mais sombrio, no meu peito agora o frio
faz prevalecer...

R:
Vou entender e viver, tudo foi confuso mas agora passou
Como esquecer o que me fez bem? O que me fez sorrir outra vez (e mais de uma vez)


E todos os dias com café na mesa voce me esperava
trazia no olhar muito mais do que eu pudesse entender
Mas agora eu decidi, a escolha que eu fiz
voce nao mora mais aqui


'E nao tem verdade que nao faça parte de um sonho ou uma ilusao
E nao tem um medo, um desespero que nao traga uma confusao'
(Raíssa C. Momesso)

ps: como (talvez) perceberam, isso é uma música rsrs ;)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Te colocar sobre as minhas asas, te apresentar as estrelas do meu céu...

No intimo todos nós somos frágeis... Há aqueles que basta uma canção ou uma memória congelada numa foto para despertar a emoção, e há aqueles que precisamos cavar mais fundo para fazer escorrer uma lagrima; mas todos nós somos frágeis. É psicologicamente, fisicamente, emocionalmente, cientificamente impossível existir um corpo isento de dor e paixão, de angustia e confusão, um corpo que consegue passar uma vida toda sem o calor de um corpo alheio. Há quem tenha a habilidade de brincar com os sentimentos, manuseando-os com extrema facilidade e decidindo a hora certa de cada um agir, e há quem se afogue em qualquer minima emoção e transforme uma gota em mar.
Lidar com a fragilidade é algo muito pessoal... Cada um cuida da sua como bem consegue. Deixar transparecer, esconder para os outros menos pra si, esconder para todos inclusive pra si... Particularidades existentes em todos, mas que ninguém consegue decidir. Podemos escolher como vamos dormir, como vamos nos vestir, como vamos andar; mas não podemos escolher como vamos sofrer e nem porque vamos sofrer. E ao contrário de como é visto, o sofrimento é, para nossa vida, como se fosse o cálcio em nossos ossos... Fundamental! Se tudo fosse fácil, se tudo fosse belo, nada teria intensidade, nada teria profundidade... Se tudo fosse fácil seria um tédio!
Por mais frágeis que todos nós somos, felizmente não podemos nos quebrar. Partir-nos é o limite. E juntar os nossos pedaços durante toda a nossa vida para reconstruirmos-nos a todo instante, é a cruz que nos é enviada desde o primeiro choro que damos como sinal de vida.
Escolha a razão para o brilho dos teus olhos mas não de limite para a intensidade desse brilho, escolha qual boca tu vais beijar hoje, mas nao escolha o sabor desse beijo, escolha viver só não escolha como... Limite as suas escolhas e não o reflexo delas.
E sobre a fragilidade... Esqueça, ela é tua e todos nós (eu disse todos nós) temos a nossa. Tentar fugir dela é correr em vão, é cansar em vão. (Raíssa C. Momesso) 

sexta-feira, 4 de junho de 2010

But I need you to know that I care, and I miss you...

Eu já escolhi com quem dormirei esta noite...
escolhi tambem qual whisky vai anteceder toda insanidade
Já não temo e nem devo nada, sinto que não tenho limites e toda loucura que eu cometer, por maior que ela seja, não trará consequências
Meus olhos vão pesar, meus ouvidos vão escutar os sussuros e tudo que lembrarei da noite passada é que nada lembro...
Eu quero sentir, fazer sentir, envolver e transceder... Lembrar é o de menos agora!
Provar o mel e não larga-lo nunca mais... Azedar a boca com o fel e se encantar ainda mais...
Onde antes eu tinha medo de ir, hoje é meu habitat. Não mais me complico nem me implico, não quero mais explicação...
eu prefiro que tu te calas e me faça ser, junto de ti, um só! (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 1 de junho de 2010

A inspiração do meu samba, a mais linda canção pra cantar...



Hoje serei breve... 
"Eu só não digo que minha felicidade não cabe em mim, porque eu deixo um espaço ilimitado dentro de mim para eu ser feliz." (Raíssa C. Momesso)

domingo, 30 de maio de 2010

Você irá despertar dos teus sonhos e ver quem realmente você é...



Sinto a força dos gritos que invadem minha amplitude a todo tempo. É como se todo mundo estivesse ouvindo e ignorando e ao mesmo tempo, é como se nem mesmo eu estivesse ouvindo. Ecoa e vibra mas falta intensidade... Gritos vazios, gritos sem sentido nem prazer, gritos ausentes de presença e conotação! Abafados pelo audio do mundo e reforçados pelo som da piedade... Para onde correr agora? Ou não se deve correr agora? Imensidão e neblina ilustram a capa de um livro de conteúdo incompreensível na qual todos querem saber o final. Sabe por que? Porque o confuso, assustador, enigmático e invisível, atraem o íntimo de cada pessoa muito mais do que o mastigado e entregado. É o instinto que caminha com nossas pernas... É a razão que tenta fazer nossa cabeça... É o sistema nervoso que decide por nós. 
Para onde estes gritos apontam agora? E o desespero... é complemento ou anexo? Deixo assim. (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Fighting for a chance I know now, this is who I really am...

Lembro de uma madrugada, não muito distante, que me aconselharam o seguinte: "Cure um antigo, desgastado amor, cure uma ilusão, com um outro amor novo e pronto para ser explorado". Na hora não dei muita atenção e achei que essa não seria a melhor forma para amenizar as coisas por aqui, mas algum tempo depois, por ação do destino até, comecei a dar mais atenção para esse inusitado conselho. Dito e feito! Resolvi mudar a direção dos meus olhos, resolvi sentir um novo sabor, um novo corpo... Mas o que eu esqueci foi da segunda parte desse conselho (que talvez seja a mais importante, aliás): "Mas nao troque seis por meia-duzia... Não adianta mudar o encanto de pessoa, se você não vai mudar o encanto de direção". E agora o que resta? Meio conselho escutado, coração de ouvidos tapados e olhos vendados, e o cheiro de nostalgia pintando no ar, como quando minha mãe prepara seu prato especial de comida. Melhor eu me preparar, ou rezar para que esteja enganada. E o próximo passo agora... Não dar a minima para estas coisas escritas, nem para as marcas que o passado deixou e prever um futuro que eu queria que fosse presente em todos os dias da minha vida. (Raíssa C. Momesso) 

segunda-feira, 24 de maio de 2010

You do something to me, that I can't explain...


"Suas faces diversas escondem suas verdades perversas
Desvendar-te é como estar de frente para um labirinto cheio de abismos...
Abismos que inudam seus olhos e olhares, sua boca e sorrisos
Teu humor loucamente elaborado é para mim horror e pecado
Teu corpo se camufla em meio a noite e tu viras criatura sem dono, sem rumo, sem morro...
E meu ego se enche de expressões, se afoga em confusões quando cruzo teu caminho com o meu
E lembrar agora, do que outrora ja me pertenceu, consegue num piscar de olhos agitar e confundir todos meus sentidos
Sem abrigo, no perigo, de castigo, a minha alma segue um rumo incerto, rezando para encontrar a tua aura sem rumo e também incerta." (Raíssa C. Momesso)

Ps: texto feito para um trabalho da faculdade

terça-feira, 18 de maio de 2010

Querendo fazer você voltar...

"O que vem fácil, vai fácil"... Uma das coisas mais verdadeiras que eu ja ouvi na minha vida. 
Eu gostaria de falar menos de mim, eu gostaria de usar menos o "eu". Só que eu percebi que dou tantas voltas ao redor de mim mesma, e cada volta que eu dou encontro algo novo, e isso me encanta tanto. Porque é muito bom você se descobrir novo a cada dia... 
Eu gostaria também de conseguir escrever uma carta sobre tudo que eu não gostaria de ser/ter e enviá-la à mim mesma.... Mas e o medo de ler e ficar sabendo dessas coisas?!... Eu gostaria de ter um dialeto mais complexo, um dicionário mais completo, e poder escrever um pouco mais no escuro... 
Tantas coisas eu queria, eu gostaria, eu... Mas eu trocaria tudo, trocaria todos os verbos, os adjetivos, as sentenças e exclamações, se fosse pra sentir tudo aquilo que eu senti tempos atrás... Sim, eu estou presa no passado, eu estou falando da mesma coisa, mas não vou me culpar por isso. Tenho certeza que você também ja passou por momentos como esse... E se não passou, aguarde! (Raíssa C. Momesso)


quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ainda estamos juntos aqui...




Essa noite trombei você nos meus sonhos... Como nos velhos tempos, você me fazia um bem danado. O seu olhar me consumia, e nossas únicas palavras eram nossos beijos. Deitei no teu abraço e desejava não sair de lá tão cedo... O mundo indo e vindo, as pessoas vivendo as suas vidas, e eu ali... no teu aconchego, no teu ninho, com você no meu coração. Ao longo do dia encontrei sinais que me levavam sempre à você. Aquela nostalgia me sufocando, aquela saudade me matando... Como eu queria que você estivesse junto dos sinais. O seu rosto, o seu jeito... Me diz como esquecer de algo que me fez tão bem? Sentir agora o calor do travesseiro, sussurando nele tudo que eu queria que você ouvisse... Te mandar (mesmo que em vão) nos sonhos tudo que eu ainda sinto....  E tentar jurar pra mim mesma que eu nunca vou te desejar novamente. Sorrir toda vez que eu cruzar você, e ficar aflita cada vez que eu não puder te ver. Entender que nossos caminhos não se cruzarão novamente, e que isso será melhor pra mim, pra você e pra tudo... Eu vou sentir teu cheiro, eu vou me perder nos teus olhos e espero que seja essa noite novamente. E na outra... E na outra... E sempre! (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Seja um sonho, uma história ou alguém especial...



Agora eu sei para onde meus passos apontam... Agora eu entendo tudo que sempre me aconteceu. Leve, livre, longe... Pequenos gestos que eu resolvi guardar em mim e que tem significados imensos, pessoas improváveis com vidas impermeáveis hoje são peças fundamentais da minha vida. Depois de desacreditar, de quase abandonar a fé, essa mesma fé me colocou no mais alto lugar que existe: a paz interior! E hoje a única divida que eu tenho, sinto que estou perto de pagar. Ainda levo o seu sorriso, o seu olhar, a sua voz, e suas palavras ainda ecoam em mim... Mas hoje sem rancor, sem lágrimas nem sofrimento. Está tudo diferente pra mim agora, e percebo que a única coisa igual é você dentro de mim. Sinto até que não sou mais tão intensa escrevendo e vejo a prova que a dor pode ser algo lindo. O que eu perdi de intensidade ganhei de maturidade, e agora está (como diriam) "elas por elas".  Nada tem um fim... Tudo se renova! É impossível apagar o que foi intenso nas nossas vidas e nem precisamos fazer isso... Virar a página ja basta! Eu não quero servir de espelho, nem de exemplo pra ninguém... Eu apenas desejo que todos sintam o que estou sentindo agora, e que percebam que não existem coisas dificeis na vida; o que existe é a covardia de enfrentar o que os nossos caminhos nos trazem. Não tenha medo, não se curve pra nada nem pra ninguém... Quando você quer, você consegue! E acredite... seu coração nunca se parte, ele é muito forte para alguém quebrá-lo. Ele é mais forte do que imaginamos. Essa dor que sentimos vem do ego ferido e não do coração machucado. O dia que seu coração realmente se machucar, nem lendo isso aqui você estará. Fé, coragem... Você é maior do que imaginas! (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 6 de maio de 2010

A música no radio, as cenas da tv...

Imagino como deve ser dificil para as pessoas, entender ou tentar me entender se nem eu me entendo direito. Quando o coração ta sereno e tranquilo, eu desejo um lance para agitar as águas calmas... Quando rola o lance eu faço de tudo pra fugir e peço pra Deus acalmar o coração. Quando meus dias são tomados pelo tédio, desejo correria e responsabilidades... Quando elas vem, desejo parar tudo e deitar! Rezo para que isso não seja uma caracteristica só minha, e que ao contrario do que penso, isso seja natural do ser humano. Mas o que eu realmente não entendo em mim e nunca vou entender, são as escolhas que sem perceber eu faço. Sabe quando você encontra uma pessoa para ter aquele ciumes, aquele carinho todo especial, aquele desejo? Então... eu sempre escolho a pessoa errada! E essa escolha - junto com essa pessoa - vão tomando conta de toda a minha vida, meu humor, e de todas outras escolhas que futuramente faço. Porque eu sou extremista ao extremo! Quando não sinto nada por ninguém, eu realmente não sinto... Mas quando eu sinto, eu só sei sentir aquela pessoa. E confesso que isso me encomoda muito. Arrisco até dizer que essa seria a caracteristica que eu não queria pra mim. A minha esperança é que um dia eu cresça, amadureça e saiba lidar melhor com isso. Ou, saiba escolher melhor essas pessoas. Ou, sei lá... Que isso mude de algum modo. Enquanto isso eu acostumo e continuo caminhando dessa minha maneira. Me torturando e torturando os guerreiros que insistem em passar dia após dia ao meu lado. Ahh os guerreiros, se não fosse eles... (Raíssa C. Momesso)

Eu nunca vou te abandonar, pq eu te Amo!

EU SOU CORINTHIANS...
EU NUNCA VOU TE ABANDONAR, PORQUE EU TE AMO!


E voce é maior que tudo isso Corinthians, e o meu amor por voce supera tudo!
Eu tenho um coraçao inteiro pra voce, eu tenho uma vida dedicada a voce, eu tenho a fidelidade jurada a voce... e NADA vai tirar isso de mim!
No choro, na dor, acima de tudo e todos eu grito e honro o TEU NOME CORINTHIANS!
E eu espero o seu tempo, a sua hora, porque eu sei que ela ainda vai chegar. E quando ela chegar estarei contigo como sempre estou e estive! 
(Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 4 de maio de 2010

Preciso tanto aproveitar você...



Sente o vento... Repara no som que ele sopra nos teus ouvidos. Pegue a mensagem que a vida te manda através dele... Consegues? É essa suavidade das coisas que merece ser valorizada e acentuada, e pra ela que você deve dar atenção. Tire o dia hoje para ver os clipes que você mais gosta, ouvir e dançar as músicas que você adora, pra ficar de pijama e meia e comer brigadeiro de panela. Não encane que o dia tem apenas 24 horas e sim comemore que o dia tem todas essas 24 horas. Ligue para alguém distante, mande flores para alguém nem que esse alguém seja o seu vizinho. Repara o sol... Olha como ele fica mais brilhante quando você está feliz. Faça a revolução das piadas no seu trabalho, coloque um sorriso no rosto daquele funcionário mal-humorado... Marque a vida de alguém com gestos simples! Escreva uma música, uma poesia e envie para seus amigos por correio e sele a carta com um beijo de batom. Experimente roupas que não combinam, tire fotos... Vista o seu cachorro, durma com teu gato, cante na frente do ventilador as músicas que o teu avô escuta no toca-fitas. Faça o seu dia ser único... E amanhã comece tudo novamente, de um jeito diferente! (Raíssa C. Momesso)

domingo, 2 de maio de 2010

I feel so good...


O que eu menos quero agora é me preocupar em entender pessoas e coisas confusas. Chega de querer explicação e razão pra tudo, se a situação ficar complexa eu to é caindo fora. Quero tranquilidade, paz e aproveitar bem os verdadeiros que estão do meu lado, porque são deles, somente, que eu preciso e quero em minha vida. Detalhes não vão mais me fazer chorar e nem estragar meu dia. Até a minha playlist e o som do meu carro ja toca mais feliz. Eu vou guardar meu sorriso, pra toda vez que eu precisar... Eu vou ter mais fé! Vou lutar a favor de quem ja lutou muito por mim, pra mim e comigo. Eu saí do escuro com mais força e maturidade, e hoje ele não me dá mais medo. Ao contrario do que eu pensava, é muito bom saber que tudo é passageiro... Vou deixando as mágoas, as lágrimas pra trás e me transformando em uma nova pessoa a cada novo dia! To preparada pra enfrentar todos os meus novos medos que virão, pois carrego comigo os anticorpos dos medos que se foram. Nova... me sinto nova! (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Um rosto lindo e um sorriso encantador...

Eu já aprendi tanta coisa e não me canso de aprender. Hoje eu agradeço por ter sido humilde o suficiente para voltar atrás nas minhas escolhas e reconhecer que errei. A paz que eu sinto, o bem que me faz conseguem compensar tudo... Eu vou deixar pra trás todos os desencontros, e mágoa eu não sinto mais. Cada dia que nasce, cada lua que eu vejo, todos os meus sorrisos fazem sentido agora. Está tudo mais calmo, sereno e até o meu andar mostra a minha felicidade. E como diria a música: "Até quem me vê lendo jornal, na fila do pão sabe que eu te encontrei." Encontrei e não vou deixar ir embora... Por mais que me julguem, que me olhem "torto", e que não depositem mais tanta credibilidade em mim, nada disso vai importar. Porque agora eu estou em paz, eu estou completa... E vai ser assim agora, sempre assim eu espero. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

E o que restou, só nossas fotos aqui...



Covarde... Estou sendo!
Fiz minhas escolhas pensando em não sofrer mais, mas o que sinto agora é mais dor. Quando eu achava que escolher com o coração trazia mais consequencias, vejo que a razão está acabando mais depressa comigo. Sentir essa angustia, esse nó na garganta, os olhos enchendo d'água... Vejo meus dias mais longos e sem sentido agora. Percebo que era real o que eu sentia, e que isso não vai passar logo. Não sei dizer como será daqui pra frente, e sinceramente não quero nem pensar como será... Se eu não fosse tão covarde, se eu não sentisse tanto medo, se eu não pensasse tanto, talvez eu estaria mais feliz agora. Lembrar de tudo que me falou, de quando me abraçou e do sorriso que me plantava no rosto só me tortura ainda mais. Sem você ta tudo incompleto por aqui...(Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Meus diluvios imaginarios ainda faço no chuveiro...



Eu quero provar o veneno e quero que ele me faça mal... Eu quero morder a maçã e cair por terra. Quero sentir dor, quero causar dor... Eu vou aprender a morrer pois só assim me tornarei imortal. Eu vou seguir o caminho mais escuro e sair mais forte dele. Vou provocar meu ego com vara curta só pra me machucar, e vou arranhar minha pele só para aguçar meus anticorpos. Dançarei sobre os corpos depois de assistir uma a uma as execuções. Eu vou rir na cara de quem chorar... Vou soprar fumaça nos olhos da cidade. Vou me benzer toda vez antes de me devorar, e degustar a crueldade fazendo gargarejo. Eu vou ouvir a musica anunciar o luto e assobia-la. Vou colocar um jazz pra tocar e beber vinho na janela do predio, enquanto olho as luzes vizinhas se apagarem. Eu vou me distanciar lentamente só pra causar mais saudade... Não é crueldade e nem narcisismo, eu apenas viverei como os outros. (Raíssa C. Momesso)

domingo, 18 de abril de 2010

Pois a paz sem voz não é paz, é medo

Estou começando a viver situações que antes eu apenas sabia que existiam. Começando a sentir na pele as infinitas sensações que o mundo pode me trazer. Tive que conhecer e conviver com a grande maldade que existe todos os dias em nossos dias... Mas da vida nada se leva, e eu espero não levar nada mesmo. Era tudo mais facil quando a unica coisa que eu sabia do mundo era sobre ingenuidade. Eu sempre tinha alguem pra me proteger, pra sofrer no meu lugar, e pra dizer que tudo está ok e que eu não precisava me preocupar com nada. Mas o que vem facil, vai facil... Andando agora com meus proprios pés e sentindo tudo, absolutamente tudo, com minha propria pele; vejo que as coisas realmente são mais dificeis de se enfrentar do que eu imaginava. Mas percebo que talvez eu seja mais forte e melhor do que eu mesma imagino, e isso é o principal motivo para o meu sorriso diario... Eu vou mergulhando cada dia mais dentro do desconhecido e não sei dizer o que isso vai me trazer, mas medo eu não sinto mais... Vou presar por quem ta comigo, pela minha conciencia e o resto... é resto! (Raíssa C. Momesso)

quarta-feira, 14 de abril de 2010

And I miss you...


Que culpa tenho eu se meus olhos te procuram cada vez mais? Qual será minha culpa se um dia eu esquecer tudo que aconteceu e voltar pra você? Que pecado cometo cada vez que desejo você aqui comigo novamente? Como julgar a saudade que eu sinto? Que culpa eu tenho se foi você quem me mostrou o sentimento mais gostoso, se foi você quem me mergulhou na mais absoluta felicidade, se é do teu beijo que eu mais sinto falta? O que fazer com o sorriso regado de lagrimas que surge em mim cada vez que penso em você? que penso na gente...? Como calar e acabar de vez com isso tudo que eu sinto? O que eu mais queria era poder te falar o quanto eu te amei e o quanto dói as suas renegações. Dizer que nada que eu faça, me faz te esquecer... E que eu não paro de pensar e lembrar de cada detalhe que a gente viveu. Dizer que eu amava te abraçar e escutar o seu coração, que eu amava sentir seu gosto, seu cheiro... Que eu me perdia na profundidade do seu olhar pra mim. Dizer que eu nunca senti tudo isso, e que não quero sentir por outra pessoa. E a cada novo dia que eu acordo eu decido lutar e não me entregar... mas toda vez antes de dormir é pro mesmo lugar que meus pensamentos e sentimentos vão. Que culpa tenho eu se essas sãos as regras? (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 13 de abril de 2010

E o que separa o frio do calor...


Grite... Mas grite sem pudor, sem apatia, sem medo!
Não dê limites aos seus sonhos... até porque não existem motivos para isso.
Descubra passo a passo as melhores maneiras de ser feliz e experimente todas elas.
Cante no ouvido de algúem... Sussurre palavras impiedosas. Aja por impulso e se arrependa depois.
Seja ilimitado, indefinido, indecifravel... Seja uma nova pessoa a cada dia.
Abra os braços para o amor, tenha esperança, viaje... Engane alguém, sofra por alguém!
Seja o que quiser, faça o que for, mas viva... Apenas viva! (Raíssa C. Momesso)

domingo, 11 de abril de 2010

Se o que sente é real, dentro de você...

Eu vou enlouquecer tentando te entender. Talvez eu entenda errado os sinais que você me dá, talvez nem tudo está tão claro assim pra mim. Atualmente dividida em dois mundos, vivo agora o que sempre julguei impossivel acontecer. E eu que sempre tive o costume de dizer nunca, hoje a vida me mostra que nunca é algo que nunca acontece. Ultimamente ando pisando em cacos e nem me importando com a dor, porque la na frente enxergo algo à mim compensador... Agora chegou a vez de ser telespectadora e não atriz dessa história, porque se tem uma coisa em que eu realmente sou boa é ser paciente.  E eu tenho fé que essa paciência vai me levar longe, ainda mais longe do que aqueles que hoje correm para chegar logo. Sem pressa eu entendo que o objetivo não é chegar, mas sim gozar das maravilhas existentes no caminho. Um dia todos irão chegar... Eu ja não preciso mais de motivos pra viver... Viver é o meu motivo agora! E de alma aberta para tudo e todos eu ja não consigo mais sentir medo. Apenas luz, apenas vida... é somente isso que eu consigo sentir em mim nesse instante. Doce instante... (Raíssa C. Momesso)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

E todo amor que em mim ainda não passou...


A vida passa a ter mais sentido cada vez que você olha pra tras e encontra tudo aquilo que você ja enfrentou. Os valores mudam, os conceitos mudam, a voz da vida muda... Todos os seus medos e suas virtudes se assentuam cada vez que você perde o chão, cabe a você escolher qual deles vai usar para ficar forte novamente. (Raíssa C. Momesso)

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Far away... I don't care where, just far away

Tenho a esperança que um dia todos sintam dor. Pois sentindo saberão as marcas que ela deixa, e assim pensarão antes de machucar alguem. Tenho a esperança de um novo amanhã, de mudanças. Sinto que há a restauração, e quando restaurado, o ser humano fica maior e melhor. Tenho a esperança de um sorriso, daquele brilho nos olhos.
Tenho a vida voltando em mim novamente e tenho pensamentos mais leves.
Tenho as marcas do choro, o sangue voltando a ser quente.
Tenho acima de tudo a vontade de caminhar novamente sem precisar de ninguem.
Tenho a fé e a capacidade de entender que o passado se deixa pra tras, e tenho agora a força que não tinha antes.
Amém. (Raíssa C. Momesso)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Na areia da praia, aos olhos da lua...



Eu vou tentar disfarçar meu olhar de amor ao cruzar você. Eu vou tentar disfarçar o meu desejo de estar perto de você.
Eu vou evitar sorrir quando ouvir teu nome. Eu vou evitar seguir pro mesmo lado que você.
Eu vou mentir quando me questionarem. Eu vou mentir quando você me questionar.
Eu vou deixar aqui escrito e guardado tudo que eu queria falar e guardar na tua memória.
Vou fazer o calor ser o meu afago e aconchego, substituindo seu beijo e seu abraço.
Eu vou procurar em outros olhares o que eu só acho no teu. Eu vou tentar não me manter vazia.
Eu vou te contar histórias até te convencer que não estou nem ai pra você.
Eu vou fingir, fugir, correr, me esconder, desviar, me iludir... Eu vou me manter longe de sentimentos que estão cada vez mais perto. (Raíssa C. Momesso)

terça-feira, 6 de abril de 2010

And so I have to say before I go...

É como areia movediça: você quer sair mas não consegue, você sabe que tem que sair mas não consegue.
No calor do seu abraço eu viro presa facil. É impressionante o modo com que você domina meus instintos e os tem na palma da mão. E toda vez que eu decido te deixar 'pra la', eu fico mais 'pra la' perto de você. Remar contra a maré ou deixar ela me levar? Tenho a impressão que daqui pra frente virão mais duvidas que soluções, então prepararei-me. (Raíssa C. Momesso)

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Acende um cigarro, fica um pouco mais...

E eu vivo na espera de um dia você chegar de surpresa trazendo seu sorriso e querendo meu abraço. Na espera de um dia cruzar por acaso contigo na rua e você me convidar para tomar algo e passar horas sentada ao teu lado prestando mais atenção na sua presença do que na sua conversa, de perder meus compromissos e chegar atrasada em casa por culpa tua. E talvez você tambem viva na espera disso tudo, e nesse jogo de espera ficamos os dois, perdendo tempo de ser feliz com pequenos detalhes e surpresas fáceis e gostosas de acontecer. (Raíssa C. Momesso)

Mais que o perdão... Carinho!

Sempre achei o modo com que a vida faz as coisas acontecerem, avassalador.
A vida não tem piedade, não tem medo de errar com as pessoas e parece ser dona de toda coragem que existe. Brinca com as pessoas como se elas fossem bonecos, fantoches sem sentimentos... mas a vida também age certo (na grande maioria das vezes). Ela nos mostra que o sofrimento não tem apenas o lado sombrio e doloroso, que o amor não é o esplendor que colocam nele, e que as pessoas podem parecer enigmáticas e impossiveis de se desvendar, mas na verdade são mais simples do que imaginamos. Os olhos com que vemos a vida nos limitam, fazendo-nos enchergar apenas aquilo que queremos. A partir do momento que você começa a enchergar com a sensibilidade, as coisas tomam formas até ali desconhecidas. Não apenas fale, e sim viva o que você diz... (Raíssa C. Momesso)

sábado, 3 de abril de 2010

Nem todas canções vão dizer o que sinto...


O meu sorriso bobo
encontrou o seu sorriso certo
O meu olhar confuso
encontrou o seu olhar discreto

O seu andar distraído
me chama pra perto de você
E a sua voz me faz sonhar

Mesmo que o mundo não saiba
mesmo que o mundo não queira
Ninguém vai saber de tudo que há em mim
Entre a razão e o coração eu escolhi você
Eu não existo longe de você. (André Brechotti)

sexta-feira, 2 de abril de 2010

And so it is...

Você até tenta se fechar, você jura que não vai mais se apaixonar. Mas o que você nao sabe é que a coisa mais facil da vida é se enolver... Se envolver com pessoas que nao seguem o mesmo caminho que você. Por que assim? Por que tão cruel? No final de mais um lance você vai recolher seus pedaços e junta-los novamente, pois você tem que estar inteiro para começar a se despedaçar por outra pessoa novamente. Vai ser sempre assim... E se você luta contra, dói mais ainda. (Raíssa C. Momesso)

- E como diria meu anjo: "
Incrivel como a dor pode ser tão bela"